Google+ Followers

sábado, 12 de dezembro de 2009

lordose


Desvios Posturais

Uma boa postura é a atitude que uma pessoa assume utilizando a menor quantidade de esforço muscular e, ao mesmo tempo, protegendo as estruturas de suporte contra traumas. Os desvios posturais tais como a lordose cervical, cifose dorsal, lordose lombar e escoliose podem levar ao uso incorreto de outras articulações, tais como as dos ombros, braços, articulações temporo-mandibulares, quadris, joelhos e pés. Manter posturas erradas por tempo prolongado pode acarretar alterações posturais ocasionando enrijecimento das articulações vertebrais e encurtamento dos músculos.

Esses defeitos estruturais causam alterações das curvaturas normais da coluna vertebral, tornando-a mais vulnerável as tensões mecânicas e traumas.
Lordose

É o aumento anormal da curva lombar levando a uma acentuação da lordose lombar normal (hiperlordose). Os músculos abdominais fracos e um abdome protuberante são fatores de risco. Caracteristicamente, a dor nas costas em pessoas com aumento da lordose lombar ocorre durante as atividades que envolvem a extensão da coluna lombar, tal como o ficar em pé por muito tempo (que tende a acentuar a lordose).

A flexão do tronco usualmente alivia a dor, de modo que a pessoa frequentemente prefere sentar ou deitar.
Cifose

É definida como um aumento anormal da concavidade posterior da coluna vertebral, sendo as causas mais importantes dessa deformidade, a má postura e o condicionamento físico insuficiente. Doenças como espondilite anquilosante e a osteoporose senil também ocasionam esse tipo de deformidade.
Escoliose

É a curvatura lateral da coluna vertebral, podendo ser estrutural ou não estrutural. A progressão da curvatura na escoliose depende, em grande parte, da idade que ela inicia e da magnitude do ângulo da curvatura durante o período de crescimento na adolescência, período este onde a progressão do aumento da curvatura ocorre numa velocidade maior. O tratamento fisioterápico usando alongamentos e respiração são essenciais para a melhora do quadro.

Estudos mostram que na posição sentada a pressão nos discos é maior que na posição de pé (Posição Ortostática).

Esta pressão aumenta ainda mais quando nos sentamos de maneira ERRADA, por exemplo com a Lordose Lombar aumentada ou diminuída exageradamente..

Lordose Lombar

O aumento da Lordose Lombar (Hiperlordose) causa um desequílibrio mecânico na coluna um dos principais responsáveis pela Dor na Coluna

Mulher Grávida: Aumento da Lordose Lombar
A) Aumento da Lordose Lombar

DOR NAS COSTAS da mulher grávida é causada principalmente pelo aumento da LORDOSE LOMBAR que aparece devido ao aumento da barriga.

Este aumento desvia para frente o centro de gravidade da coluna. Esta postura sobrecarrega músculos ligamentos e discos.
O QUE É HERNIA DE DISCO E DOR CIÁTICA?

Durante a inclinação lateral do corpo ou quando exercemos um movimento de torsão, a pressão nos DISCOS também é anormal e assimétrica causando uma deformação no próprio DISCO e uma mudança de posição das FACETAS ARTICULARES.

Se o movimento for brusco e não estivermos preparados para executá-lo (por exemplo tentar defender uma bola difícil num jogo de tênis; um escorregão, uma queda de "mal jeito", pegar um peso de maneira errada) estas estruturas são solicitadas anormalmente podendo causar desde PEQUENOS TRAUMAS NO DISCO OU ATÉ UMA RUPTURA DO SEU ANEL FIBROSO. As cartilagens das facetas também sofrem microtraumas.

Há um consenso na comunidade cientifica que estes pequenos traumas produzem minirupturas e que essas minirupturas são uma das principais causas de DOR NAS COSTAS.

A) Anel fibroso não rompido, B) Anel fibroso rompido
A) Anel fibroso não rompido
(PROTUSÃO DISCAL)
B) Anel fibroso rompido
(HÉRNIA DISCAL)

Portanto a cada crise de DOR que uma pessoa tem durante a sua vida corresponde a uma destas rupturas.
Após várias rupturas o anel fibroso fica mais fraco e se dilata produzindo uma PROTUSÃO DISCAL (HÉRNIA DISCAL).

Esta protusão comprime o NERVO que está próximo. Na coluna lombar isto acontece principalmente com os discos entre as duas últimas vértebras lombares, e neste caso o nervo comprimido é o nervo CIÁTICO que está próximo. Esta compressão produz a DOR CIÁTICA. Esta DOR começa em uma das nádegas e se irradia para a parte de trás da coxa, caminha para as panturrilhas ou parte lateral da perna podendo chegar até a parte lateral do pé.
O QUE É PONTO GATILHO?

Com certa freqüência apesar da dor difusa e associado à dor ciática o doente refere e localiza um ponto que é mais doloroso que os outros. Este ponto é chamado de PONTO GATILHO ou "TRIGGER POINT". Um dos procedimentos comumente usados é o de injetar anestésico local, associado ou não à cortisona profundamente neste ponto, indo até a massa muscular.

Muitas vezes o doente sente um alívio bastante satisfatório.

Ponto Gatilho
DESIDRATAÇÃO DO DISCO

Outro fenômeno que acontece com o DISCO é a sua desidratação, e isto faz parte do nosso envelhecimento natural (A pele flácida e enrugada do velho é devido à sua desidratação).

A desidratação do disco faz com que ele perca altura diminuindo o espaço entre dois corpos vertebrais vizinhos. Esta alteração causa um "aperto" das estruturas vizinhas locais, proporcionando com os anos o aparecimento de bicos de papagaio entre os corpos vertebrais e nas facetas articulares além de produzir um engrossamento dos ligamentos locais.
O QUE É ESTENOSE DO CANAL?

Estes bicos de papagaio também penetram no CANAL MEDULAR diminuindo o espaço pelo qual passa a MEDULA NERVOSA. Esta diminuição da largura do canal chama-se ESTENOSE DO CANAL MEDULAR. Nestes casos a MEDULA NERVOSA FICA COMPRIMIDA, dificultando a circulação do sangue no local provocando uma série de alterações como por exemplo: forte dor lombar ao andar, obrigando a pessoa a fazer paradas constantes durante um curto percurso, cãibras noturnas, formigamentos e adormecimentos das pernas no período noturno. A ESTENOSE DO CANAL geralmente só aparece nas pessoas acima dos 70 anos, é fruto da degeneração e do desgaste das estruturas da coluna lombar e o seu tratamento de eleição quase sempre é a CIRURGIA.


A) Bicos de papagaio no Corpo Vertebral
B) Estenose do Canal
C) Bico de papagaio invadindo o Canal Medular.
O contorno do Canal está deformado.

Fonte: www.doresnascostas.com.br
Lordose Lombar
ALTERAÇÕES DA COLUNA VERTEBRAL

Antes
Antes

Depois
Depois
Hipercifose

É aumento da curvatura da região dorsal, ou seja, é o aumento da convexidade posterior no plano sagital, podendo ser flexível ou irredutível.

Podemos classificá-la como sendo postural, Scheuermann (osteocondrose espinhal), congênita, traumática , metabólica, inflamatória - mal de Pott (TBC), tumoral e outras.

O aumento da curvatura cifótica promove alterações anatômicas ocasionando o dorso curvo, gibosidade posterior, encurtamento vertebral e pode ocorrer déficit respiratório, por reduzir a capacidade de sustentação da coluna vertebral e também a diminuição da expansibilidade torácica.

A cintura escapular torna-se projetada à frente, com deslocamento das escápulas para baixo e para frente. A musculatura peitoral torna-se hipertônica e a dorsal hipotônica. A cabeça é projetada à frente da linha de gravidade, ocasionando uma hiperlordose cervical.

Toda hipercifose, de um modo geral, tem sua lordose compensadora, cervical e lombar, para dessa forma poder manter a sustentação do corpo mesmo que descompensada.

A cifose postural é muito comum na adolescência, tanto nos meninos como nas meninas. Estes adquirem maus hábitos no sentar, andando, estudando e até mesmo em pé. No adulto, em mulheres idosas, a cifose pode aparecer devido a osteoporose, cujas vértebras em conseqüência de uma rarefação ósseas, ficam fracas ou em forma de cunha.

Também localizamos a cifose na adolescência em meninos altos, como forma de inibir-esconder sua estatura, para não se destacar perante os colegas de mesma idade. As meninas com mamas muito grandes também adotam uma postura cifótica com o objetivo de escondê-las. No entanto, se estes adolescentes não receberem uma orientação a tempo e adequada, a cifose que inicialmente é postural, pode tornar-se estrutural.

O tratamento para cifose postural apresenta bons resultados quando ainda não temos deformidades estruturais nos corpos vertebrais e o mesmo deve ser realizado ainda na fase de crescimento da criança.

A cifose pode localizar-se na região dorsal, dorso-torácica e toracolombar. Neste último caso, encontraremos uma retificação da lordose lombar, contribuindo para a redução da mobilidade desta região.
Hiperlordose

É aumento da curva na região cervical ou na região lombar, ou seja, acentuação da concavidade cervical e/ou lombar no plano sagital. A hiperlordose lombar está associada a uma anteversão da pelve (báscula pélvica anterior) que não deve exceder a 20º, pois angulações maiores que esta, já estará caracterizando uma acentuação da lordose lombar e consequentemente um realinhamento de todas as outras curvas da coluna para uma compensação.

Estudos comprovam que a anteversão da pelve está associada a um desequilíbrio dos músculos abdominais e glúteos, que estão enfraquecidos e na musculatura lombar que se apresentará encurtada.

Já a retificação da lordose lombar, está associada a retroversão da pelve, originando uma costa plana, com diminuição da mobilidade.

A hiperlordose cervical é caracterizada pela proeminência da cabeça associada a hipercifose, caracterizando um pescoço mais alongado à frente.

A retificação da lordose cervical caracteriza-se pela diminuição da lordose e consequentemente um pescoço reto, com diminuição da mobilidade cervical.

A hiperlordose lombar é mais encontrada em mulheres devido aos saltos altos, ginástica olímpica e a própria postura feminina.
Escolios

É um desvio assimétrico, lateral da coluna vertebral, resultado da ação de um conjunto de forças assimétricas que incidem sobre a coluna.

Possui várias classificações, são elas: Idiopática (causa desconhecida) - infantil, juvenil e adolescente, Congênita - falha na formação dos ossos e na segmentação, Neuromuscular - poliomielite, paralisia cerebral, distrofia muscular e outros, Traumas - fraturas, cirurgias e queimaduras, Fenômenos irritativos - tumores medulares, hérnia-de-disco e posturais - má postura "falsa escoliose".

O termo idiopática é usado pelos médicos para designar qualquer doença, desvio postural que tem causa desconhecida, que não apresenta nenhuma anormalidade óssea ou neuromuscular.

Uma curva escoliótica pode evoluir até 18 anos, no entanto deve ser realizado pelo médico responsável um exame que verifica a idade óssea e se ainda há crescimento. Enquanto houver crescimento a curva poderá evoluir.

A escoliose pode apresentar suas curvas em uma única curvatura ou mais.

Apresentam convexidades para a esquerda ou para a direita, abrangendo uma ou mais regiões da coluna. Quando apresentam curvas compensatórias formam um "S" ou um "S invertido". Foram definidas por Cobb como sendo Primárias (maiores - as primeiras) ou secundárias (menores - curvas de compensação). A curva primária é a que determina as alterações da estrutura óssea ligamentar, nervosa e muscular no segmento da coluna onde ela se localiza, portanto é a curva em que devemos dar maior ênfase em nossos alongamentos e exercícios de compensação.

A curva primária tende a se tornar estruturada quando não compensada no início através de alongamentos, podem tornar oblíquas as linhas horizontais do olho e da pelve, obrigando a pessoa a adotar uma posição antifisiológica para compensar essa obliquidad. A secundária, como são curvas menores e apenas de compensação são mais flexíveis e fáceis de serem corrigidas. No entanto, não podemos nos esquecer que, quanto maior a curva primária, maior a secundária.

As alterações anatômicas que podemos encontrar em uma coluna escoliótica são: rotação vertebral , saliência nas costelas, encurtamento vertebral e gibosidades.

Podemos encontrar a escoliose na região cervical, torácica, toracolombar, lombar ou abranger toda a extensão da coluna formando um grande "C".

Para sabermos se a curva da escoliose é uma curva estrutural ou funcional, fazemos uma flexão lateral contra a concavidade da curva, ou seja, uma inclinação para o lado da convexidade. Se no movimento a curva retificar, poderemos afirmar que ela é funcional, se não retificar, estrutural.
Costa Plana

É um desequilíbrio que se caracteriza pela retificação das curvas

fisiológicas, ou seja, diminuição das angulações das lordoses lombar e cervical e das cifoses dorsal e sacral. Diante deste desequilíbrio, as curvaturas responsáveis pela dissipação das forças proveniente da ação da gravidade são diminuídas, e consequentemente ocorrerá em determinados pontos da coluna, uma maior incidência de sobrecarga, ocasionando dores, perda da mobilidade e um desequilíbrio postural geral como forma de compensação.

Com a retificação das curvas surge o dorso achatado com tendência a se tornar rígido e dores dorsais refratárias.

Para este desequilíbrio, necessitamos readquirir a mobilidade, promover alívio das dores, e aumento das curvas fisiológicas.