Google+ Followers

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Tricomoníase


A Tricomoníase, tricomoniose ou tricomonose é uma doença sexualmente transmissível, causada pelo parasita protozoário unicelular Trichomonas vaginalis. O T. vaginalis é um protozoário oval ou piriforme, anaeróbio facultativo, flagelado, e que possui movimento contínuo característico. É responsável por cerca de 10 a 15% dos corrimentos genitais infecciosos.[2][3]
Índice
[esconder]

* 1 Epidemiologia
* 2 Sintomas
* 3 Patogenia
* 4 Complicações
* 5 Diagnóstico
* 6 Tratamento
* 7 Prevenção
* 8 Referências
* 9 Ver também
* 10 Ligações externas

[editar] Epidemiologia

Segundo a OMS há 170 milhões de infecções por T.vaginalis em cada ano, em pessoas de idades entre 15 e 49 anos, sendo 92% mulheres. Nos países menos desenvolvidos, 5% dos homens e 15% das mulheres são portadores do parasita. Este parasita só afeta o ser humano.

O T. vaginalis é transmitido pelo contato entre a mucosa infectada de um indivíduo e a mucosa de outro --- por exemplo, a uretra de um homem e a mucosa vaginal de uma mulher ---, durante a relação sexual sem o uso de preservativo[4]. As mulheres têm mucosas genitais muito mais extensas e receptivas, daí a maior parte das pessoas afetadas serem do sexo feminino. Contudo os homens também são frequentemente infectados e podem ser portadores assintomáticos. É teoricamente possível sua transmissão por fômites (roupas íntimas) e banheiros mal higienizados, contudo esta via de transmissão é mal documentada e geralmente considerada como estatisticamente muito infreqüente, pois o protozoário não apresenta forma cística e é pouco resistente às condições adversas do meio ambiente. Dessa maneira, o diagnóstico de tricomoníase em crianças e adolescentes deve mandatoriamente levar a uma suspeita e investigação de abuso sexual.

Apesar de o T. vaginalis poder infectar o trato geniturinário tanto dos homens como das mulheres, os sintomas são mais frequentes entre as mulheres. Cerca de 20% delas sofrem tricomoníase vaginal durante os seus anos férteis.

Nos homens, o organismo infecta a uretra, a próstata e a bexiga, mas só raras vezes causa sintomas. O organismo é mais difícil de detectar nos homens do que nas mulheres.
[editar] Sintomas

O T. vaginalis infecta principalmente o epitélio escamoso do sistema genital. Nas mulheres, a doença pode começar com uma secreção espumosa de cor verde-amarelada e odor desagradável, proveniente da vagina; este corrimento típico, contudo, ocorre em apenas cerca de 20% das pacientes.[3] Nas demais, a referida secreção é apenas ligeira ou ausente. A vulva (os órgãos genitais femininos externos) pode estar irritada e dolorida, e é possível que o coito também cause dor (evento chamado dispareunia de intróito), devido à vaginite. Nos casos graves, a vulva e a pele que a rodeia inflamam-se, bem como os grandes e pequenos lábios. Outros sintomas são dor ao urinar (disúria) ou um aumento na frequência das micções (polaciúria), que se assemelham aos de uma infecção do trato urinário baixo. Ao exame, o cérvice uterino apresenta um aspecto de colpis macularis (descrito como aspecto de morango ou framboesa).[3] Dor abdominal pode ser indicativa de infecção do trato urogenital superior. Citologicamente, displasia e metaplasia do tecido cervical podem ser induzidas pelo parasita.

Nas infecções crônicas, os sintomas são discretos e o corrimento vaginal, pouco intenso; estas formas são de grande importância na propagação da doença.

Os homens com tricomoníase não manifestam habitualmente sintomas (estado assintomático),[3] mas podem infectar as suas parceiras sexuais. Alguns apresentam uma secreção proveniente da uretra, espumosa e semelhante ao pus, sentem dor ao urinar (disúria) e polaciúria (estado agudo). Os referidos sintomas costumam ter lugar principalmente de manhã cedo. A uretra pode sofrer uma ligeira irritação e por vezes aparece umidade no orifício do pênis. Pode também se manifestar como doença sintomática leve e clinicamente indistinguível de outras causas de uretrites.

Disúria, uretrite ou contaminação por bactérias oportunistas são ocorrência comum em ambos os sexos.
[editar] Patogenia

A patogênese do T. vaginalis se inicia com a alteração do pH vaginal de ácido (3,8 a 4,5) para alcalino (acima de 5,0, mais propício ao crescimento do parasita).[3] Há redução da flora normal de Lactobacillus acidophilus, substituída progressivamente por flora anaeróbica. Há estímulo da resposta inflamatória humoral, atraindo leucócitos que são subsequentemente fagocitados e degradados pelo parasita. Diversos fatores de virulência, como enzimas, são determinantes na adesão do parasita às células epiteliais e eventual destruição das mesmas. Quatro enzimas (adesinas) são implicadas como mediadors de sua aderência: AP 23, AP33 , AP51 e AP65. além destas, atua também na patogênese o Cell-detaching factor (CDF, fator de destacamento celular). Sua síntese é dependente do Ferro. Outras enzimas são as cisteína-proteínases, capazes de produzir hemólise, citotoxicidade, e degradação de anticorpos locais. Hemácias são fagocitadas e utilizadas como fonte de ferro e lipídeos. Embora ative a via alternativa do complemento, O T. vaginalis tem também a propriedade de se revestir de antígenos plasmáticos do hospedeiro, o que lhe confere resistência aos ataques imunológicos. Além disso, o tecido vaginal é pobre em complemento, sendo sua principal fonte representada pelo sangramento menstrual --- o qual por outro lado representa fonte de alimento e estímulo aos fatores dependentes de Ferro do T. vaginalis. A infecção pelo T. vaginalis não é capaz de produzir reação de imunidade duradoura, sendo muito mais comum a sua cronificação.
[editar] Complicações

Estudos demonstraram que o T. vaginalis favorece a transmissão do HIV, tanto pelas lesões e sangramento de mucosa que produz, como pela estimulação de reação inflamatória, atraindo para o local infiltração de leucócitos, inclusive Linfócitos T CD4+ e macrófagos (células alvo do HIV). Além disso, está associado a bebês de baixo peso e nascimentos prematuros em mulheres infectadas. Predispõe mulheres à Doença Inflamatória Pélvica, câncer de cévix uterino e infertilidade.[3] Já foi descrita a sua associação com ruptura prematura de membrama amniótica, endometrite pós-parto, adesão e oclusão tubária (levando à infertilidade), e até feto natimorto e morte neonatal.[3]

No homem, a infecção do epidídimo, que causa dor testicular, é possível. A próstata também pode infectar-se, mas o papel do T. vaginalis na patogenia das prostatites não é muito claro. Pode resultar infertilidade.[3]
[editar] Diagnóstico

No caso das mulheres, o diagnóstico geralmente estabelece-se em poucos minutos, examinando uma amostra da secreção vaginal ao microscópio. No caso dos homens, é necessária a coleta de secreção uretral por meio de Zaragatoa ou alça de platina, preferencialmente pela manhã, quando a secreção é mais abundante. A massagem prostática pode auxiliar na sua detecção.[3] O material deve ser analisado imediatamente.Mulheres sentem cólicas, como mestruais, não sentem vontade de ter relações sexuais e querem vomitar nas pessoas. Concomitantemente, devem ser efetuadas análises para outras doenças de transmissão sexual, cujo risco de contágio acompanha o da tricomoníase (Como Sífilis, HIV, Gonorréia e Hepatite B).

Em ambos os sexos, pode fazer-se também o diagnóstico através da coleta de urina de primeiro jato, a qual é imediatamente concentrada por meio de centrifugação, e analisada em preparações a fresco à microscopia óptica (o parasita tem aspecto e motilidade característicos) ou em preparações coradas.

Os mesmos materiais podem ser submetidos ao cultivo microbiológico, sendo recomendável o cultivo simultâneo de material em meios específicos para Neisseria gonorrhoeae e a investigação da presença de Chlamydia Trachomatis e Ureaplasma urealyticum (outras doenças sexualmente transmissíveis causadoras de uretrite,[5] as quais podem estar presentes concomitantemente ou não com a tricomoníase). A cultura mais demorada (usualmente demora de três a cinco dias), mas é considerada mais sensível que o exame microscópico, sendo cerca de 80% a 90% dos casos diagnosticados pela cultura positivos à microscopia.[5] É comum a associaçâo do T. vaginalis com a Neisseria gonorrhoeae e com micoplasmas, em virtude de sua capacidade de fagocitar estes organismos.[2][3] É também frequente o sinergismo com bactérias anaeróbicas.[3] Nas mulheres pode haver colpite, manifesta à colposcopia pelo "colo em framboesa" e pelo aspecto tigróide à análise pelo Teste de Schiller.

Técnicas de Reação de Polimerase em Cadeia (PCR) estão disponíveis e são altamente sensíveis e específicas, porém de custo elevado.[3] Técnicas imunológicas (como aglutinação e ELISA) de detecção também são disponíveis, mas são de sensibilidade e especificidades variáveis em virtude de aspectos clínicos da doença.
[editar] Tratamento
Star of life caution.svg
Advertência: A Wikipedia não é um consultório médico.

Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde.
As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.



O tratamento, que é específico e eficiente, pode ser realizado com os quimioterápicos nitroimidazólicos[2][5][4][6] metronidazol ou tinidazol, administrados em dose oral única. Na gestação, até o primeiro trimestre, não é recomendado o uso dos nitroimidazólicos devido a seu potencial mutagênico e carcinogênico observado em animais (não comprovado em humanos[5][6]); aconselha-se o uso de clotrimazol tópico, de eficácia moderada (cura em 40-60% dos casos), por ser inócuo ao feto. Na nutriz, recomenda-se a suspensão da amamentação durante o tratamento. Efeitos colaterais (incomuns) podem incluir cefaléia, náusea, boca seca, e gosto metálico; muito raramente, efeitos no Sistema Nervoso podem ocorrer, incluindo encefalopatia, convulsões, perda de coordenação motora e ataxia. Efeitos alérgicos também são possíveis. O consumo de álcool deve ser evitado, pois sua associação pode resultar em efeitos colaterais importantes. Também devem ser evitados os anticoagulantes orais..[6]

Todos os parceiros sexuais devem ser simultaneamente tratados, de maneira a se evitar a re-infecção. Pelo menos até que se tenha a certeza de cura, os pacientes devem utilizar preservativos em todas as relações sexuais. Durante o tratamento, os pacientes devem se abster do uso de bebidas alcoólicas, que associadas ao uso destes medicamentos podem levar a importantes efeitos colaterais.

A doença não confere imunidade permanente, portanto a reinfecção é possível e deve ser diferenciada da falha terapêutica. A resistência aos imidazólicos é possível, porém é usualmente dose-dependente, bastanto-se o retratamento com uma dose maior e/ou mais prolongada.
[editar] Prevenção

Evita-se a transmissão do parasita causador da doença praticando o sexo seguro, ou seja, pela adequada higiene genital, diminuindo-se o número de parceiros sexuais e usando-se preservativos. Tanto o preservativo masculino quanto o feminino provaram-se eficazes em reduzir as chances de contaminação.